comSentido

Quinta-feira, Janeiro 7

FELIZ NATAL

A Natividade é celebrada pelos cristãos ortodoxos na Europa Central e de Leste e um pouco por todo o mundo a 7 de Janeiro, por causa da diferença do Calendário Gregoriano – 13 dias depois dos outros cristãos. No leste, a Natividade é precedida de 40 dias de jejum, que começam a 15 de Novembro. Este é um tempo de reflexão, contenção pessoal e cura pelo Sacramento da Reconciliação.

A Festa Ortodoxa da Natividade tem início na Véspera de Natal (6 de Janeiro) e termina com a Festa da Epifania.

Normalmente, na Véspera de Natal, os cristãos ortodoxos jejuam até tarde, ao anoitecer, até que a primeira estrela apareça. Quando a estrela é avistada, as pessoas preparam a mesa para a ceia de Natal.

A ceia da Véspera de Natal, ou “Sviata Vecheria” (Santa Ceia), junta a família para partilhar alimentos próprios e dá início à festa com vários costumes e tradições, que remontam à antiguidade. Os rituais da Véspera de Natal são dedicados a Deus, para protecção e bem-estar da família e em memória dos antepassados.

A mesa é coberta com duas toalhas, uma para os antepassados da família, a outra para os elementos vivos. Nos tempos pagãos, os antepassados eram considerados espíritos benévolos, que, sendo devidamente respeitados, traziam boa sorte aos elementos da família.

Debaixo da mesa, bem como debaixo das toalhas, é espalhada alguma palha para lembrar que Cristo nasceu num estábulo. A mesa tem sempre um lugar a mais para os membros da família já falecidos, cujas almas, de acordo com a crença, vêm na Véspera de Natal tomar parte na refeição.

Há doze pratos (iguarias) na mesa, porque, de acordo com a tradição cristã, cada prato é dedicado a cada um dos Apóstolos de Cristo. Na antiga crença pagã, os pratos correspondiam às doze luas-cheias do ano. Os pratos não têm carne, por causa do período de jejum pedido pela Igreja até ao dia de Natal. Porém, para os pagãos, a abstinência de carne era a forma de oferecerem sacrifícios a Deus sem derramamento de sangue.

Enquanto muitos costumes ortodoxos da Véspera de Natal se revestem de uma natureza solene, o costume de cantar é alegre e divertido. Os cânticos de Natal tem a sua origem na antiguidade, tal como muitos outros costumes praticados nesta quadra.

Há dois grupos principais de cânticos na Ucrânia: os “koliadky”, cujo nome deriva provavelmente do latim “calendae”, significando primeiro dia do mês, que são cantados na Véspera e no Dia de Natal; o segundo grupo, “shchedrivky”, que é uma derivação do significado “generosidade”, é cantado durante a festa da Epifania.

No Dia de Natal as pessoas participam na Divina Liturgia, no fim da qual, muitos se deslocam em procissão para mares, rios e lagos. Todos se juntam, na neve, para as cerimónias exteriores da bênção da água. Muitas vezes os rios estão congelados e as pessoas fazem buracos no gelo para a bênção. Então, em casa, há uma grande festa - todos se juntam para comer, beber e divertir-se.

Tal como há diferenças, há também semelhanças entre a Celebração do Natal no Leste e no Ocidente.

O Natal no Leste tem um grande significado familiar e social, tal como o tem no Ocidente. Junta as pessoas de todas as gerações para celebrarem o nascimento de Jesus Cristo.

Não importa em que cultura ou sociedade estamos – entendemos o nascimento de Cristo tal como S. João Crisóstomo escreveu: “Desde aquela altura, toda a alegria e júbilo! Eu também quero alegrar-me! Eu também quero participar do coro e da dança para celebrar a festa! Mas eu faço a minha parte: não tocando harpa nem flauta, nem erguendo a chama, mas erguendo nos meus braços o berço de Cristo. Aqui está toda a minha esperança! Aqui está toda a minha vida! Aqui está toda a minha salvação! Isto é a minha flauta e a minha harpa!”

Também eu, tendo recebido pelo Seu poder o dom da fala, eu também, com os anjos e os pastores, canto “Glória a Deus nas alturas e paz na Terra aos homens de boa vontade”!

Arquimandrita Philip Jagnisz, Vigário Geral de Portugal e Galiza - Patriarcado Ecuménico de Constantinopla

Tradução: Secretariado Diocesano das Migrações do Porto

Terça-feira, Outubro 20

147 640 Pessoas levantaram-se em Portugal contra a Pobreza

147 640 Pessoas levantaram-se em Portugal contra a Pobreza

147 640 Pessoas levantaram-se em Portugal contra a Pobreza

Este ano participaram mais 50 mil pessoas

O «Levanta-te e actua contra a Pobreza e pelos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio» contou no ano de 2009 com 147 640 pessoas.

Num comunicado enviado à Agência ECCLESIA, a organização explica que a iniciativa contou com “mais 50 mil pessoas”, em comparação com o ano passado.

“Estamos à espera da confirmação dos resultados Mundiais, mas sem dúvida que em relação ao ano de 2008 melhorámos em mais 50 mil pessoas a participar activamente para demonstrar que a Sociedade civil quando quer, consegue-se unir em torno de grandes causas”.

A organização «Pobreza zero» pretendeu envolver todas as pessoas a “levantarem-se e a exigir que os seus governos cumpram as promessas de acabar com a pobreza extrema e que se alcancem os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) até 2015”.

“Apesar dos sintomas de depressão ligadas à crise”, a organização manifesta a adesão dos portugueses na iniciativa. “Tamanha mobilização é a cima de tudo uma demonstração clara do impacte que pode ter uma acção local e global da sociedade civil”.

A organização relembra que a cada dia que passa, 50 mil pessoas morrem de pobreza extrema e o fosso entre ricos e pobres é cada vez maior. Por isso apela à alteração e melhoria das “políticas sociais, económicas e culturais no mundo, porque cerca de metade da população mundial vive em situação de pobreza”.


agencia ecclesia

Quinta-feira, Setembro 10

Atletas diferentes

No final de Agosto alguns atletas representaram Portugal nos Jogos Mundiais para Transplantados. Vieram de lá com uma medalha de prata e uma de bronze! Tínhamos feito para o Caminho de Emaús uma entrevista com um dos agora medalhados. vale a pena ouvir! Sem qualquer apoio e a pagar as viagens do próprio bolso foram, viram, jogaram e ganharam!
Vale a pena dizer também que os dois medalhados são transplantados de coração.

Para saber tudo ver aqui.

Terça-feira, Agosto 4

Coisas que chocam e entristecem

Quanto será que recebe de reforma um antigo trabalhador da Câmara do Entroncamento? No Correio da Manhã de hoje: enteado e amigo menor matam um homem a mando da mulher por causa da reforma...

Notícia de domingo: criança de 2 anos morre queimada com água quente numa banheira. Mãe espera duas horas pelo namorado até pedir socorro...

Lar de Rio Maior encerrado. Capacidade para 40. Estavam lá 120 idosos. Vários dos utentes não são procurados pelos familiares nem há números de telefone ou moradas de familiares de alguns daqueles idosos...

Será que nos damos conta da sorte que temos nas nossas vidas?

Segunda-feira, Agosto 3

Braços de Jesus

Santo Inácio, cuja festa celebrámos dia 31 de Julho, falava de Deus presente e actuando em todas as criaturas, em todas as plantas e animais e em nós. O Deus da espiritualidade inaciana é o Deus que "age da forma de alguém que trabalha". Numa igreja alemã há um crucifixo em tamanho natural, um crucifixo normal, não fora ter uma característica especial, fruto da guerra - o facto do corpo de Jesus não ter braços. Os paroquianos resolveram deixar o crucifixo assim, para lembrar os visitantes que são convidados a ser os braços de Jesus. Deus trabalha através de nós.

in Lugar Sagrado

Segunda-feira, Julho 27

Solidariedade

Estas coisas raramente são notícias. No Correio da Manhã de hoje mereceu 1/4 de página: um café, na Buraca, foi assaltado por 15 homens armados. O dono ficou com cortes num braço e o corpo cheio de hematomas. A história podia ficar por aqui. Mas não. O dono do estabelecimento pensava não voltar a abrir mas quando foi limpar o café dos vidros e estragos a população juntou-se e ajudou. Decidiu manter-se aberto por causa da solidariedade dos vizinhos...
Bela história, não?

Terça-feira, Julho 21

Vida

Quanta alegria e vida cabe no olhar de um bebé?
E sorriso?
E uns braços abertos prontos a abraçar ou a pedir colinho, quanto valem?